O mascote pode ser uma boa estratégia diante da necessidade de diferenciação em um mercado tão saturado de marcas e produtos similares. Dentre os elementos de identidade visual de uma marca, o mascote cumpre, de uma forma lúdica, o papel de interlocutor direto da empresa com o cliente.

Um mascote bem desenvolvido pode colaborar para a humanização da marca, ao ligar o produto a uma figura que expressa sentimentos e sensações (alegria, entusiasmo, emoção, etc.), gerando empatia e identificação.

1 – Planejando um mascote

Como criar um mascote se ele não estiver alinhado ao objetivo de comunicação da empresa? Só assim esta peça de comunicação estará reforçando a imagem a ser transmitida e os valores que se quer agregar à marca e ao produto. É importante, então, a produção de um briefing detalhado que revele o histórico da marca ou produto, o perfil do público-alvo (idade, sexo, classe-social) e também a imagem que esse público tem da empresa ou do produto que se pretende representar.

2 – Criando o personagem

Com o briefing em mãos, é preciso tomar uma decisão importante: como criar o mascote: qual será sua forma? Humano, animal, um objeto ou o próprio produto animado? Neste momento, não se pode perder de vista o objetivo da marca com a criação do mascote. Vamos ver alguns exemplos bem sucedidos de mascotes de cada tipo?

  • Mascote humano: como a escolha é bastante popular, o personagem deverá ter aspectos bem marcantes que o diferencie dos demais. Exemplos: o cangaceirinho das Casas Bahia e o Ronald McDonald`s.
  • Mascote animal: animais tem que ser escolhidos com muito cuidado, para não provocarem associações grotescas. Casos positivos: o pinguim do Ponto Frio e o próprio franguinho da Sadia – ambos remetem diretamente à marca.
  • Mascote objeto: apesar de serem objetos, precisam ser “vivos”, para tocar o consumidor. Exemplos: Lamp da Pixar, o robô da Android.
  • Mascote objeto-produto: é o próprio produto animado. Assim como a categoria anterior, precisam ser “vivos”. Exemplo: Toddynho e Lolo.

3 – Elementos importantes do visual da mascote

Cores: é importante manter o padrão das cores escolhidas para os outros elementos de identidade visual, como o logotipo, o símbolo e a marca.

Formas: também aqui, a direção é a mensagem que o mascote precisa passar sobre o produto ou marca. Lembrando que círculos dão vida a personagens amigáveis e fofinhos, ao passo que retângulos e quadrados criam personagens fortes e sólidos.

Designer gráfico, web designer, editor de VT e fotógrafo. Tem o bom e velho Rock’n’Roll como parte da sua vida. Nas horas vagas, porém poucas, divide seu tempo entre família e empresa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *